antwerp-2019990_1280

Logística europeia: o que o Brasil pode aprender e copiar?

antwerp-2019990_1280Não é de hoje que sabemos que a logística europeia é um exemplo a ser seguido. O banco mundial divulga a cada dois anos um relatório sobre o segmento e países como a Alemanha sempre são destaque. Com relação ao Brasil, no documento de 2014, estávamos em uma posição desfavorável: caímos da 45ª para a 65ª posição. Dois anos depois, houve uma recuperação de 10 posições, mas ainda é pouco para chegarmos ao patamar ideal. Tendo em vista esse panorama, quais lições podemos tirar para sermos cada vez melhores?

Lições sobre a logística europeia

Para exemplificar como o Brasil pode aprender com a logística europeia, separamos três países: Alemanha, Holanda e Bélgica. Neles, há pontos fortes e soluções inovadoras que podem servir de exemplo. Veja:

Alemanha

No topo da lista pela terceira vez consecutiva, o país é conhecido pela disciplina na execução de tarefas e não poderia ser diferente na logística. Estar constantemente observando dados e buscando pontos de melhoria não é rotina para a maioria das empresas brasileiras, por enquanto. A Alemanha, pioneira em estudos sobre a indústria 4.0, sabe que, quando tudo é milimetricamente analisado, os erros aparecem antes que se tornem grandes problemas. A boa notícia é que a tecnologia vai ajudar muito na evolução do processo. Para os brasileiros, o primeiro passo é estarem atentos e acompanharem as tendências.

Holanda

O país é destaque na logística europeia pela infraestrutura. O aeroporto Schiphol é um dos maiores do mundo em carga e descarga e o porto de Roterdã é o maior da Europa. Sendo o Brasil um país de dimensões continentais com um imenso litoral, ter maior infraestrutura de portos e aeroportos é fundamental. Segundo reportagem feita pelo Jornal Nacional, problemas em portos e aeroportos emperram liberação de produtos e causam prejuízos imensuráveis.

Bélgica

Na Bélgica, assim como na Alemanha e outros países que fazem parte do contexto da logística europeia, há grande preocupação em modernizar constantemente os processos. Por lá observa-se boa infraestrutura e investimentos do governo em desenvolvimento de pesquisas.

O Brasil melhorou em alguns pontos

Apesar de ainda termos muito o que aprender com a logística europeia, melhoramos em quesitos essenciais. O relatório aponta como pontos fortes logística e competência, rastreabilidade e infraestrutura. Em contrapartida, os quesitos custo, embarque internacional e pontualidade ainda são fracos. Sendo assim, se você deseja modernizar a sua empresa, observe também quais são seus pontos fortes e fracos e ataque-os. Uma análise estruturada sobre mudanças necessárias pode fazer toda diferença para os resultados.
Você também acha que temos pontos a aprender com a logística europeia? Deixe um comentário!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *