o que o brasil pode aprender

[NOVO E-BOOK] O que o Brasil pode aprender com outros países sobre qualidade na prestação de serviços de logística

o que o brasil pode aprenderO Brasil enfrenta sérias dificuldades de infraestrutura, especialmente de portos, aeroportos e rodovias. Mesmo que as empresas brasileiras estejam cada vez mais qualificadas e investindo em tecnologia para melhorar seus serviços de logística. Nesse material, compilamos as informações de um relatório bienal lançado pelo Banco Mundial que classifica a logística de 160 países e mostrou que o Brasil está na 65º posição na última edição. A revista Exame destacou em uma reportagem os 15 países mais bem colocados e nós compilamos nesse material lições que o nosso país poderia aprender com eles.

Leia o material “O que o Brasil pode aprender com outros países sobre qualidade na prestação de serviços de logística” e veja o que outros países fazem e que nós poderíamos fazer também.

Acesse aqui o e-book completo!
Boa leitura!

fretes_colaborativos

Como funcionam os fretes colaborativos?

fretes_colaborativosO mundo de hoje está cada vez mais colaborativo. Pessoas com objetivos comuns se juntam e conseguem vantagens como descontos em restaurantes, pacotes de viagens etc. Isso também tem acontecido com as entregas, são os chamados fretes colaborativos. Eles podem ser organizados pelas empresas interessadas, de forma independente, ou mesmo ser uma iniciativa da própria distribuidora para diminuir custos e aumentar a eficiência das entregas.

Disseminar a cultura dos fretes colaborativos diminuiria muito casos de ineficiência de algumas entregas. Um estudo feito nos EUA pelo Comitê de Logística do VICS (Voluntary Inter-Industry Commerce Standards), nos Estados Unidos, mostra que os caminhões rodam vazios cerca de 15% a 20% do seu tempo. Infelizmente não há dados desse tipo no Brasil, mas sabe-se que isso também acontece com frequência por aqui. Fretes colaborativos podem ajudar porque otimizam a utilização do espaço no caminhão e pode acontecer, inclusive, de possibilitarem o aproveitamento do espaço na ida e na volta.

Quando optar por fretes colaborativos?

Os fretes colaborativos não são indicados quando as cargas são de naturezas muito diferentes. Cuidados com embalagem, identificação e documentação devem ser redobrados. A pontualidade deve estar presente em todos os tipos de entrega, mas no caso de fretes colaborativos é um item a mais para se ter todo o cuidado possível.

Pra viabilizar fretes colaborativos é praticamente essencial o uso da tecnologia, tanto para encontrar interessados em compartilhar o mesmo modal, quanto para a empresa conseguir organizar-se de forma eficiente. Com muitas entregas no mesmo caminhão, é preciso ter certeza de que aquela é a carga e o local corretos. O uso da tecnologia permite também flexibilizar mais facilmente uma entrega em relação a outra, mudando rotas ou horários, de modo que todos os clientes fiquem satisfeitos.
Sua empresa trabalha com fretes colaborativos? Conte para nós.

Crédito da imagem: pashminu/cc

conheça os segredos capa

Conheça os segredos de 5 grandes empresas que trabalham com logística no mundo

conheça os segredos capaPara ter sucesso, cada empresa tem seus segredos. Identificamos alguns pontos em comum dessas grandes distribuidoras e apontamos para você nesse material. O e-book “Conheça os segredos de 5 grandes empresas que trabalham com logística no mundo” faz uma breve apresentação das empresas e explica por que elas têm um destaque tão grande em logística no mundo.

Acesse aqui o material.
Boa leitura!

verticalizacao_do_armazem

Verticalização do armazém: quais são as vantagens?

verticalizacao_do_armazemRealizar a verticalização do armazém significa utilizar ao máximo a altura do armazém. Tal forma de organização é vantajosa porque aproveita ao máximo o espaço vertical. Isso pode evitar a necessidade de aquisição de mais espaço ou mesmo otimizar a área de circulação. O objetivo final é a economia de recursos e o acesso mais fácil aos produtos. A verticalização do armazém tem se tornado cada vez mais viável por conta do avanço do maquinário, especialmente das empilhadeiras, que permitem acesso a prateleiras bastante altas, chegando a 30 metros.

Apesar de atualmente ser economicamente mais viável, a verticalização do armazém requer alguns cuidados extras e investimento diferenciado em equipamento, mão-de-obra qualificada e sistemas de controle de estoque mais precisos, como o WMS. Outras características que precisam ser observadas dizem respeito ao produto a ser estocado em si. São elas:

  •         Natureza do produto estocado
  •         Características de segurança
  •         Peso e dimensões

Algumas características do espaço físico também devem ser observadas antes de começar a verticalização do armazém:

  •         Tamanho dos corredores para suportar o maquinário
  •         Tamanho das portas
  •         Tipo e resistência do piso (peso por m²)
  •         Condições de temperatura e umidade

O ideal é que, antes da verticalização do armazém seja feito um estudo aprofundado para antecipar os possíveis gargalos. O investimento inicial poderá ser alto, já que haverá necessidade da compra de novos equipamentos, alterações em infraestrutura e tecnologia, mas as vantagens acabam compensando.
Sua empresa trabalha com a verticalização do armazém? Conte para nós nos comentários.

Crédito da imagem: Ben_Kerckx/cc

operações_de_entrega

warehouse management system

Perecíveis: como o warehouse management system ajuda a evitar perdas

warehouse management systemCada vez mais empresas têm descoberto os benefícios dos sistemas de gerenciamento de armazéns, o Warehouse Management System (WMS). É através desse tipo de sistema que é possível ter uma visão geral sobre todos os aspectos do estoque, tais como: quantidade, movimentação, localização, etc. O WMS é recomendado para todos os tipos de produtos, mas quando se trata de perecíveis ele se torna essencial. Isso porque o tempo é um fator primordial para evitar perdas. Produtos perecíveis parados são sinal de prejuízo certo.

Qualquer modificação no fluxo de venda e transporte de um produto perecível precisa ser imediatamente identificada e uma nova ação executada. O Warehouse Management System é essencial porque permite uma visão sistêmica e dá a dimensão da urgência de uma nova ação. Caso um pedido de um perecível seja modificado, por exemplo, é necessário reorganizar todas as próximas etapas da distribuição (documentação, carregamento, transporte, entrega, etc.)

Ter um Warehouse Management System também é importante para organizar o recebimento e acondicionamento de novos produtos. Perecíveis possuem condições bastante restritas de armazenagem, por isso exigem cuidados extras como:

  •         Docas exclusivas e especiais (refrigerados)
  •         Prioridade de desembarque
  •         Rápida conferência
  •         Endereço de armazenagem pré-definido
  •         Controle mais rigoroso com a Data de Validade (FEFO)

Outra alternativa para os perecíveis é encaminhar a carga para o destino sem a necessidade de armazená-la, o Cross Docking. Tal agilidade só é possível também se houver um Warehouse Management System já que ele permite programar para que a carga não seja armazenada, a conferência seja rápida e já remetida para o cliente final. Em qualquer tipo de produto isso é interessante, mas para os perecíveis é ainda melhor porque quanto mais rápido é o processo, melhor a qualidade do produto que chega ao consumidor.
Você já teve problemas com cargas perecíveis? Conte-nos sua experiência nos comentários.

Crédito da imagem: Wikipedia/cc

3 cases de sucesso-02